Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem 23.02.14

Salmos 128

Estamos concluindo a série de mensagens com o tema “A casa do cristão”.

Vimos que a casa do cristão é lugar de conversão a Deus, de conversão uns aos outros, de conversão aos de fora. Não há lugar mais desejado para se estar do que a nossa casa. É comum ouvirmos de muitas pessoas que estão viajando há algum tempo dizerem: “Nada melhor do que voltar para nossa casa”. É dentro da nossa casa que somos quem verdadeiramente somos, agimos sem reservas e experimentamos as mais diferentes emoções. Muitas vezes somos zelosos em cuidar dos relacionamentos fora de casa e descuidamos dos relacionamentos dentro.

O salmo 128 nos mostra uma foto de uma família desejável, com um homem temente a Deus, bem-sucedido em seu trabalho, em harmonia com sua esposa e seus filhos. Mas nem sempre esta é a realidade de nossa casa (viúvos, sós):


1.Entre o casal

O salmista faz uma forte relação entre o temor a Deus e a felicidade no lar. Logo, para que haja na vida do casal um relacionamento saudável é preciso que de ambas as partes, marido e esposa, haja um forte temor do Senhor. Podemos resumir temor a Deus como levar Deus a sério, bem diferente de ter medo. Temer a Deus e andar em seus caminhos.

Tanto o marido, quanto a esposa precisam estar dispostos a ser santificados por Cristo através do Espírito Santo. Um casamento formado por um marido e uma esposa em nada transformados por Cristo, um casamento propenso a muitos problemas; um casamento formado por um marido e uma esposa parcialmente transformados por Cristo, um casamento com um nível médio de problemas; um casamento com um marido e uma esposa totalmente transformados por Cristo, um casamento feliz.

O homem que teme ao Senhor será realizado em seu trabalho (equilíbrio) e se portará como provedor de sua casa, em todos os sentidos, materialmente, espiritualmente e emocionalmente e sendo o provedor de cuidado para com sua esposa. Assim ela será, no interior de sua casa, frutífera como a videira, que fala de sustento e tempero e alegria (uva, vinagre e vinho). Frutífera em todos os sentidos, frutífera gerando filhos, frutífera no seu trabalho (nas obras de suas mãos), frutífera como auxiliadora idônea mediante um espírito manso e tranquilo (1 Pedro 3.4), frutífera no exercício de seu ministério.

Aqui está a base para relacionamentos saudáveis dentro de casa, mas seu lar não possui esta formação do salmo (marido, esposa e filhos), vale o princípio. Cada membro da sua casa, temendo a Deus e andando em seus caminhos será transformado por Cristo e terão relacionamentos saudáveis.


3.Entre pais e filhos

Na casa do cristão o relacionamento entre pais e filhos deve ser harmonioso, pois da mesma forma o caráter de Cristo vai sendo impresso na vida de cada membro da família.

Gosto da figura que o salmista usa à roda da tua mesa (Salmos 128.3). Isto fala de comunhão, de tempo juntos, de intimidade. Uma das coisas que muitos perderam em nossos dias é a prática de, como família sentar-se diariamente em volta da mesa. Um tempo só da família, um tempo entre pais e filhos para conversar, contar como foi o dia, falar das coisas do coração. Pais que têm prazer em se assentar ao lado dos filhos e participar das suas coisas, filhos que não se afastam dos pais e os têm como amigos e de confiança.

Assim, esses filhos (as) se tornarão fonte de bênção, e a figura para ilustrar isto é o rebento da oliveira, são os frutos da oliveira utilizados para produzirem azeite, símbolo da unção de Deus em nosso lar.

A casa do cristão deve ser lugar de descanso e proteção, lugar de reunião e alegria, lugar onde fica fora toda gritaria. É para esta casa que todos desejam voltar rapidamente.


4.Entre todas as gerações

Os versículos 4 e 5 falam da bênção desde Sião. Sião era lugar de adoração (Templo), fala de uma casa onde ir à casa de oração era relevante, mas também onde a própria casa seja reconhecida como este lugar de culto a Deus, seja no dia a dia entre os membros da família ou através das células.

Uma casa que se importa com a cidadania cristã, para poder ver a prosperidade de Jerusalém – Londrina – a terra em que estamos, a igreja de Deus crescendo neste lugar.

Alguém já disse que lares fortes, igreja forte, lares fortes, sociedade forte, lares fortes, uma nação forte. A casa do cristão deve ser a base para abençoar sua cidade e até mesmo as gerações futuras.

V 6 – A bênção se estende para as gerações futuras – filhos dos nossos filhos. Sim, na casa do cristão há uma preocupação para que o testemunho de Cristo não pare nesta geração e que possamos viver o suficiente para ver os filhos de nossos filhos temendo a Deus e tendo um lar com relacionamentos saudáveis.


Conclusão

Ao encerrarmos esta série de mensagens precisamos parar um pouco e refletir sinceramente: como está a nossa casa? Como está nossa família?

Gosto da pergunta do profeta Eliseu para a sunamita em 1 Reis 4.26: Vai tudo bem contigo, com o teu marido, com o menino?

 

Rev. Pedro Leal Junior