Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 15.05.16
 

Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim (Mateus 24.46).
 

Como você se comportaria se recebes­se a notícia que Jesus voltará daqui a dois dias? Ou ainda, se só tivesse mais um dia de vida? Sairia correndo para tentar consertar relacionamentos dilacerados? Pedir e libe­rar perdão? Largaria pecados? Buscaria o Senhor mais intensamente? Enfim, diante da iminente volta dele, ou da indubitável ida, quem está em sã consciência e em pleni­tude das faculdades mentais, colocaria em ordem seu coração, sua casa e sua vida. Em certo sentido, isso é vigilância. No capítulo 24 de Mateus Jesus prediz os sinais do final dos tempos que precedem seu retorno em glória, em dia e hora exatos que somente Deus sabe quando.

Espírito de engano é o primeiro sinal: Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos (v 5). Em 1978, o então líder religioso norte-america­no Jim Jones, foi responsável pela morte de novecentos seguidores. Em 1993, o líder reli­gioso David Koresh, que se intitulava a reen­carnação do Senhor Jesus, derramou combustível no rancho e ateou fogo, matando oitenta pes­soas, incluindo dezoito crianças. Isso só para citar alguns.

Guerras e rumores de guerras são outros sinais: E, certamente, ouvireis falar de guer­ras e rumores de guerras; vede, não vos as­susteis, porque é necessário assim aconte­cer, mas ainda não é o fim (v 6). De cento e sessenta e dois países estudados pelo IEP (Institute for Economics and Peace’s), ape­nas onze não estão envolvidos em algum tipo de guerra. Isso, sem contar guerras do narcotráfico, disputas territoriais entre gan­gues e outros tipos de conflitos civis.

Fome e terremotos são outros sinais: Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terre­motos em vários lugares; porém tudo isto é o princípio das dores (vv 7-8). Segundo a ONU, são mais de oitocentos milhões de pesso­as desnutridas, sendo vinte e três milhões de brasileiros. Só nos Estados Unidos, ocor­rem de doze mil a quatorze mil terremotos anualmente, ou seja, trinta e cinco por dia.  

Até cidades brasileiras, como Montes Cla­ros e Londrina, têm sido surpreendidas com esse fenômeno.

O último sinal dessa lista é a persegui­ção: Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome (v 9). Segundo a Missão Portas Abertas, atualmente, no mundo, duzentos milhões de cristãos são perseguidos inten­samente em mais de sessenta países. Em termos de número de pessoas, há mais perseguição aos cristãos nos dias de hoje do que na história de dois mil anos de cristianismo.

Diante desses sinais que indicam a imi­nência da volta de Cristo, a reação de alguns será de indiferença: O amor de muitos es­friará (v 12); outros serão tomados por medo e pavor: não tenham medo (v 6 - NTLH); mas o desejável é reagir com esperança e perse­verança: mas aquele que perseverar até o fim (v 13). A perspectiva da volta de Jesus deve gerar esperança ao invés de terror, desejo de encontrá-lo, e um novo estilo de vida. Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir­-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando­-se, os servirá (Lucas 12.37). Não importa o que acontecerá primeiro, se a volta de Jesus ou nossa ida a ele. O caminho para a felici­dade é nos manter vigilantes e alertas.

 

Rev. Rodolfo Garcia Montosa