Conteúdo e Mídia

Mensagens

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16).


Quando pensamos na figura do fogo, logo vem à nossa mente algo forte, intenso, com o poder de nos consumir por inteiro. Algo que precisa ser alimentado e que tem o poder de ser alastrado em muitos lugares. A figura do fogo é muito apropriada para descrever a paixão que precisamos ter para que sejamos uma igreja em constante movimento.

Essa paixão tem que ter um foco definido: ela deve ser direcionada para que pessoas que não conhecem a Cristo venham a conhecê-lo e se entregar a ele, e para que pessoas que já o conhecem sejam levadas à maturidade e à perfeita estatura de Cristo.

No texto acima vemos a descrição do maior movimento da história em direção aos perdidos. Ele foi feito pelo próprio Deus, que expressou todo seu amor (paixão) por nossa vida, dando o que de melhor e maior possuía.

Para descrever esse movimento, o Pastor Edson Santos, da Igreja Assembleia de Deus de Taboão da Serra/SP, de maneira inspiradora, encontrou em João 3.16 tudo o que é maior:

Porque – maior causa;
Deus – maior ser;
Amou – maior sentimento;
O mundo – maior grupo;
De tal maneira – maior intensidade;
Que deu – maior ato;
Seu Filho unigênito - maior dádiva ou presente;
Para que todo aquele que nele – maior oportunidade;
Crê – maior simplicidade;
Não pereça – maior promessa;
Mas – maior diferença;
Tenha – maior possessão;
A vida eterna – maior tesouro.

A maneira usada por Jesus para descrever a intensidade do amor de Deus por nós não possui definição, assim, ela é apresentada como de tal maneira. É tão intenso que não mede esforços; é tão abrangente que ninguém fica de fora, é tão poderosa que se torna irresistível, é tão forte que é como fogo que consome. O nosso Deus, que é amor, não pode ficar parado, é um Deus em movimento, é um Deus missionário.

Ao completarmos 82 anos como igreja, desejamos ser, ainda mais, incendiados por esse amor. Que arda em nós esse fogo constante, que a chama da paixão jamais apague, e que ela nos coloque em movimento em direção aos perdidos

 

Rev. Pedro Leal Junior