Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 13.12.15

Mas, depois de ter pensado nisso, apareceu-lhe um anjo do Senhor em sonho e disse: "José, filho de Davi, não tema receber Maria como sua esposa, pois o que nela foi gerado procede do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados" (Mateus 1.20-21).

Quando falamos em José, o sonhador, logo vem à mente José do Egito. A Bíblia mostra outro José com diversos sonhos vindos de Deus que foram muito importantes na história de Maria, Jesus e, porque não dizer, na história de toda a humanidade. Interessa-nos refletir para qual direção, como nascem, o que revelam e qual nossa relação com esses sonhos de Deus.

O sonho de Deus nasce de Deus. Após saber da notícia da gravidez de Maria, sendo José um homem que não queria difamar sua noiva, resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber (Mt 1.18, 19). Seu pensamento era razoável e até bastante complacente, mas não era o pensamento de Deus. Seu pensamento protegia a si e Maria, mas os pensamentos de Deus protegiam Jesus e a humanidade. Os pensamentos de Deus são sempre mais elevados que os nossos. Muitas vezes confundimos nossos pensamentos como sendo os sonhos de Deus para nós. Os sonhos de Deus não nascem dos nossos pensamentos, como fruto de nossa racionalidade e bom senso. Os sonhos espirituais que Deus coloca em nós precisam ser discernidos espiritualmente.

O sonho de Deus revela quem é o principal. José não era o centro do seu sonho. Aliás, nem José nem Maria eram protagonistas, mas coadjuvantes. O personagem principal de todos os sonhos de Deus é Jesus Cristo: porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas (Rm 11.36). Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,  e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai. (Fp 2.9-11). Compreendendo que Jesus era o principal, José recebe e honra o importante papel de definir o nome daquele que seria o salvador e senhor da humanidade: você deverá dar-lhe o nome de Jesus. O nome, na Bíblia, revela o caráter. José, portanto, recebe a revelação do caráter de Jesus e sua missão: porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Muitas vezes nos colocamos no centro do que chamamos de sonhos de Deus. Não tenha dúvidas que os sonhos de Deus sempre apontarão para Jesus.

O sonho de Deus nos insere na ação de Deus. Os sonhos de Deus continuaram a acontecer na vida de José para o envolverem ativamente na história. Foi advertido em sonho para não voltar até a morte de Herodes, mas retornar por outro caminho. Durante a viagem, um anjo do Senhor apareceu novamente em sonho para orientar que fugissem para o Egito (Mt 2.12-15). José obedeceu e ficaram no Egito até a morte de Herodes, quando, novamente, em sonho, o anjo orientou ao retorno para as regiões da Galileia (Mt 2.19-23).Tanto na ida para o Egito, quanto no retorno para Nazaré, cumpriram-se as palavras dos profetas: do Egito chamei o meu Filho (Os 11.1) e Ele será chamado Nazareno (Is 11.1). O sonho que Deus nos dá não é um improviso, desconectado da história. Somos agentes escolhidos segundo a sua vontade para participarmos dessa ação soberana de Deus na história.

José obedeceu aos sonhos de Deus que foram muito além de seus pensamentos, apontaram para Jesus e o envolveram na ação de Deus na história. Assim Deus nos insere em seu sonho. Vamos, pois, manter nossos corações abertos à possibilidade de recebermos os sonhos de Deus que transformam a história.

Rev. Rodolfo Garcia Montosa