Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 24.05.15

Os anjos são espíritos ministradores enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação (Hebreus 1.14).

Na relação de Jesus com o mundo sobrenatural, os anjos ganharam papel de destaque. Exerceram diversas funções como: comunicadores de boas-novas, ajudando em momentos de necessidade, ou mesmo prontos para guerrear, se necessário.

Desde antes do nascimento de Jesus, Deus enviou o anjo Gabriel (Lucas 1.26ss) a Nazaré para anunciar a Maria que ela ficaria grávida pelo poder do Espírito Santo. Sabendo de como seria difícil a compreensão do noivo, Deus enviou um anjo em sonho para José (Mateus 1.20ss) a fim de revelar tudo o que estava acontecendo com sua noiva que era virgem. Logo depois do nascimento, uma grande multidão do exército celestial (Lucas 2.8ss) aparece diante de alguns pastores que estavam nos campos próximos a Belém louvando a Deus pelo nascimento do Salvador. Em seguida à visita dos magos vindos do oriente, um anjo do Senhor apareceu em sonho a José para orientá-lo a fugir para o Egito (Mateus 2.13), evitando a morte de Jesus recém-nascido. Alguns meses depois, com a morte de Herodes, novamente aparece um anjo em sonho a José para dizer que retornassem à terra de Israel (Mateus 2.19).

Durante o ministério de Jesus, começando pela tentação, Satanás provocou Jesus para que se jogasse da parte mais alta do templo para provar que seria socorrido pelos anjos (Mateus 4.6). Jesus entendeu claramente, que isso seria como que duvidar de Deus (Mateus 4.7; Deuteronômio 6.16; Êxodo 17.7), e não fez o que o tentador queria. Curiosamente, logo depois da tentação são os anjos que vêm para servi-lo, pois estava com fome após os quarenta dias de jejum (Mateus 4.11). Jesus sabia que uma grande quantidade de anjos estava à sua disposição. Um pouco antes de se entregar para a morte, Jesus orou com intensidade no Monte das Oliveiras. Em meio à sua luta interior, imediatamente na sequência de ter declarado seu desejo de fazer unicamente a vontade do Pai, apareceu-lhe um anjo do céu para fortalecê-lo (Lucas 22.43). Mesmo no momento de sua prisão, citou que o Pai poderia enviar mais de doze legiões, ou seja, mais de 72 mil seres angelicais.

Depois da ressurreição de Jesus, sobreveio um grande terremoto enquanto um anjo do Senhor desceu dos céus, aproximando-se do sepulcro onde estava Jesus, rolando a pedra da entrada e assentando-se sobre ela. Os guardas tremeram de medo e ficaram como mortos. Este anjo anunciou às mulheres: “Cristo não está aqui; ressuscitou!” (Mateus 28.1-7). Após a ressurreição, Jesus apareceu aos seus discípulos por um período de quarenta dias falando-lhes acerca do reino de Deus. Ao final deste período, Cristo foi elevado aos céus diante dos olhos de todos até ser encoberto por uma nuvem. Quando ainda estavam com os olhos fixos no céu enquanto ele subia, dois anjos surgiram diante deles para anunciar: Este mesmo Jesus,que dentre vocês foi elevado ao céu, voltará da mesma forma como o viram subir (Atos 1.9-11 - NVI). Conforme o livro de Apocalipse, onde a palavra anjo aparece mais de 50 vezes, os anjos estarão muito ativos na volta de Cristo.

Assim como o Pai colocou os anjos à disposição de Cristo, ele os envia para nos servir. De fato, os anjos são espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação (Hebreus 1.14). Nunca devemos orar para eles, pois Cristo é o único Mediador entre Deus e as pessoas (1 Timóteo 2.5). É Deus quem lhes dá ordens a nosso respeito (Salmos 91.11-12; 104.4). Muito menos devemos adorá-los (Colossenses 2.18), pois eles também adoram a Deus (Salmo 103.20). Mas podemos descansar no Senhor que tem cuidado de nós com todos os recursos dos céus, mesmo que invisíveis aos nossos olhos. Afinal, é Deus quem envia seu anjo adiante para nos proteger em nossa caminhada e nos fazer chegar ao lugar que ele já nos preparou (Êxodo 23.20).

Rev. Rodolfo Garcia Montosa