Conteúdo e Mídia

Mensagens

Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus (Apocalipse 3.14).

A palavra amém tem origem hebraica (אָמֵן) e deriva de um radical que expressa a ideia de firmeza e de realidade. Significa, portanto, verdade, verdadeiramente, certo, certamente, sim. Foi transliterada para o grego e para muitas outras línguas e seu uso aparece tanto no Antigo como no Novo Testamento para significar, dentre outras coisas, a importância e a verdade do que é dito quando aprece no final de orações e doxologias  (1 Crônicas 16.36; Neemias 8.6; Salmos 41.13, 72.19; Romanos 11.36, 16.27; Apocalipse 19.4). O uso de amém é sempre feito como afirmação e exclamação e nunca como pergunta para confirmar o que alguém está dizendo, como ouvimos sempre: amém, irmãos? Jesus fez uso singular, próprio, da palavra amém no início de dezenas de frases: amém (em verdade) amém (em verdade) eu vos digo (Mateus 17.20 e João 5.24...) para enfatizar a solenidade das suas afirmações que exigiam compromisso e resposta. Na carta à igreja de Laodicéia, Jesus se apresenta como o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus (Apocalipse 3.14). Este título tinha tudo a ver com a necessidade daquela igreja que não era quente nem fria e que estava causando náuseas em Jesus (Apocalipse 3.15-16).
Jesus Cristo, o Amém, é o sim de Deus para a nossa vida em todas as suas dimensões. Ele é o princípio, a origem, da criação de Deus  (Apocalipse 3.14c). Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez (João 1.3). Ao se encarnar, ele assume e valoriza a natureza humana. Nele podemos refletir a imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1.26-27; 2 Coríntios 3.18). Nele restauramos a nossa comunhão com o Pai, com nós mesmos, com o próximo e com a natureza. Ele veio para que tenhamos vida abundante (João 10.10b). Diante dele não há neutralidade: ou somos quentes ou frios. O nosso amém é a resposta adequada ao Amém de Deus.
Jesus Cristo, o Amém, é o sim de Deus para todas as suas promessas para nós. Ele é a testemunha fiel e verdadeira (Apocalipse 3.14b). Ele revela a natureza do Deus Pai. No Antigo Testamento, lemos: de sorte que aquele que se abençoar na terra, pelo Deus da verdade (do amém, אָמֵן) é que se abençoará (Isaías 65.16a). O conteúdo do Apocalipse é revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer... (Apocalipse 1.1a). No final do livro, ele afirma: Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas (Apocalipse 22.16a). O ensino da palavra é claro: Porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele (em Cristo Jesus) o sim (amém); porquanto também por ele é o amém para glória de Deus, por nosso intermédio (2 Coríntios 1.20). O nosso amém significa descanso nas promessas (amém) de Deus em Cristo.
Jesus Cristo, o Amém, é o sim absoluto de Deus. Jesus fala não só em nome de Deus, mas no lugar de Deus. Ouvistes que foi dito aos antigos... eu, porém, vos digo (Mateus 5.21-22, 27-28...).  Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo (Hebreus 1.1-2). Jesus não só proclama a verdade, ele é a verdade (João 14.6). Paulo escreveu: Porque nada podemos contra a verdade, senão em favor da própria verdade (2 Coríntios 13.8). Por isso, Jesus afirmou: Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha (Mateus 12.30).
A palavra amém, como vimos, significa muito mais do que assim seja, proferida no final das nossas orações como expressão do desejo de que a oração seja respondida. Deve ser a resposta consciente, sincera, íntegra e comprometida não só no culto individual e comunitário, mas à palavra de Deus em seu todo, cujo ponto culminante é o Amém de Deus encarnado em Jesus Cristo.

Rev. Mathias Quintela de Souza