Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 13.05.14


Lucas 23. 39-43


Estamos caminhando na série de mensagens com o tema “A cruz de Cristo”. Já vimos “Porque Jesus morreu na cruz?” como introdução e estamos estudando agora as sete frases de Jesus na cruz. Na primeira TE vimos as “Palavras de Intercessão” com a expressão de Jesus na cruz: “Pai perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”, domingo vimos as “Palavras de cuidado” com as expressões “Mulher, eis aí teu filho” e “Eis aí tua mãe”. Hoje somos convidados a mergulhar numa conversa reveladora:


A cena

O lugar - ela não aconteceu em um restaurante como bons amigos em volta. Não foi numa sala sentados em um confortável sofá (daqueles que afundam), não foi numa viagem conhecendo lugares lindos, não. Essa conversa aconteceu num morro chamado caveira (Calvário, Gólgota) que ficava fora da cidade de Jerusalém, a conversa se deu entre 9h e 15h de uma sexta-feira.

Os personagens – Jesus (Is 53.12 - "com malfeitores foi contado") e dois malfeitores, não sabemos seus nomes, sobrenomes e nem suas idades, se tinham família ou que crimes haviam cometido, apenas que eram dois malfeitores. Eles nem estavam de frente um para o outro (Lucas 23.33), estavam todos pregados numa cruz, estavam sofrendo, eles estavam morrendo.

A conversa – Da parte de um dos malfeitores vemos crítica e sarcasmo. “Não és tu o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós também” (v 39). O mesmo espírito que havia nos soldados quando lhe batiam e perguntavam: quem te bateu? (22.64-65) e ainda os populares e soldados que pediam para ele salvar a si mesmo (23.35-37). Muitas pessoas possuem essa postura com relação a Jesus. Mas o segundo tem uma postura diferente. A sua fala demonstra em primeiro lugar temor diante de Deus: “Nem ao menos temes a Deus?” (v 40); e em segundo lugar, reconhecimento de seus erros e de que merece o castigo por eles; em terceiro lugar reconhece a pureza de Cristo declarando que ele nenhum mal fizera (41). Mas sua última fala é a mais importante. Ele chama pelo nome que está acima de todo nome: Jesus! "E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Atos 2.21). Chama seu nome e lhe suplica ser lembrado no seu reino. É essa atitude e esse coração que alcança o favor da graça de Deus.


As palavras

Primeiro, não são meras palavras ditas por alguém, jogadas ao vento. São nada mais e nada menos que palavras ditas pelo Rei dos reis, pelo Senhor dos senhores, por Jesus. Uma frase, 10 palavras, uma nova história, tudo muda.

A importância – “Em verdade te digo”. A resposta de Jesus contém uma afirmação muito particular: Isso tem peso de seriedade. Veja outras traduções: “Pode ter certeza” (A Mensagem); “Eu afirmo a você que isto é verdade” (NTLH) e “Eu solenemente te declaro” (comentário de Hendriksen). As palavras de Jesus não são de brincadeira, elas não voltam vazias, elas se cumprem e se cumprirão em nossas vidas.

O tempo – “que hoje”. O pedido do malfeitor era para quando Jesus voltasse no seu reino. Podia ser para mais tarde. Mas quando Jesus encontra um coração contrito e quebrantado ele faz o milagre da salvação no tempo chamado “hoje”. Como está escrito em Hebreus 3.7: “Assim, pois, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração”.

A surpresa –estarás comigo”. O pedido do malfeitor é tímido, é para apenas ser lembrado por Jesus. Mas ele vai muito além, ele faz infinitamente mais. Não apenas vou lembrar de você, mas você estará comigo. Você e eu fomos chamados para estar com Jesus, andarmos com Jesus e vivermos eternamente com ele. Hoje você pode receber Jesus em sua vida e estar com ele por toda a eternidade.

O local –no paraíso”. Aquele homem morreria momentos após aquela conversa. Jesus não disse que ele iria para um lugar desconhecido, não disse que passaria por nenhum tipo de purgatório para limpar seus pecados, nada disso. Jesus marcou um encontro no melhor lugar que pode existir. No paraíso, literalmente no céu. Na nossa pátria, de onde viemos e do lugar que temos saudade, no lugar onde Deus habita. Temos uma certeza e uma esperança, estamos de passagem, somos peregrinos, nossa pátria é no céu (Ap. 21 1-8 – Novo céu e nova terra, a cidade santa onde Deus habita, onde nossas lágrimas serão enxugadas, lá não haverá morte, nem luto, nem pranto, nem dor, lá está o trono de Deus).


Conclusão

Essas são as palavras de salvação de Jesus: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (v 43). Foram para o malfeitor na cruz, são para mim e para você, hoje. Jesus está voltando, a iniquidade já tem se multiplicado, falsos profetas já têm agido, o amor de muitos já tem se esfriado, o evangelho já tem sido pregado (Mt. 24.12-13). Ouça hoje as palavras de salvação.

 

 

Rev. Pedro Leal Junior