Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 08.11.15

Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé (1 João 5.4).


Não fomos chamados para viver uma vida de derrotas, mas de vitórias. Esse pequeno versículo nos ajuda a perceber mais precisamente contra quem lutamos, ou seja: que mundo é esse? Mais importante, o texto aponta com que arma lutamos, ou seja: que fé é essa?

Que mundo é esse que precisa ser vencido?

Jesus já havia predito: no mundo tereis aflições (Jo 16.33). E como isso é verdadeiro! No mundo temos uma variedade incontável de adversidades, de diversas naturezas, em variadas intensidades. Podemos identificar três principais dimensões do mundo que precisam ser vencidas: espiritual, exterior e interior.

O mundo espiritual refere-se ao maligno. João declarou que o mundo jaz no maligno (1 Jo 5.19), mas que já o temos vencido, porque maior é o que está em nós do que o que está no mundo (1 Jo 4.4), pois para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo (1 Jo 3.8). João havia experimentado a derrota sobre os demônios (Lc 9.40), mas logo aprendeu que os demônios se submetem na autoridade do nome de Jesus (Lc 10.17).

O mundo exterior refere-se ao Sistema. João compreendeu que o Sistema desse mundo não nos conhece (1 Jo 3.1) e que não devemos nos espantar se o mundo nos odiar (1 Jo 3.13). Mesmo assim, nossa fé nos dá a vitória pois nos leva a andar em amor. O coração ganancioso de João pelo poder segundo os sistemas desse mundo (Mc 10.35-37) converteu-se a um coração servil (Jo 13.14).

O mundo interior refere-se à luta contra o pecado. João orientou: Não amem o mundo, nem as coisas que há nele. Se vocês amam o mundo, não amam a Deus, o Pai. Nada que é deste mundo vem do Pai. Os maus desejos da natureza humana, a vontade de ter o que agrada aos olhos e o orgulho pelas coisas da vida, tudo isso não vem do Pai, mas do mundo (1 Jo 2.15-17 - NTLH). O coração vingativo e intolerante de João (Lc 9.49-56) converteu-se a um coração amoroso (1 Jo 4.8).

Que fé é essa que vence o mundo?

Conta-se que um homem esticou um cabo de aço sobre as Cataratas do Niágara, que ficam na divisa entre o Canadá e os Estados Unidos. Em seguida, atravessou andando sobre o cabo de aço. Foi e voltou. A multidão, extasiada, aplaudiu. Aproximando-se de uma senhora que estava no meio do povo, aquele homem perguntou: – A senhora acredita que eu consigo atravessar novamente? – É claro! – respondeu a mulher. – A senhora acredita que eu consigo atravessar levando um carrinho de mão? – Sim, eu acredito. – A senhora acredita que eu consigo atravessar levando um carrinho de mão com uma pessoa dentro? – Tenho certeza que sim! – Então – disse o homem – a senhora poderia, por favor, ajudar-me neste número, entrando no carrinho? – De jeito nenhum! Moral da história: Ela acreditava, mas não confiava. É claro que isso não é fé!

A fé que vence o mundo não é um produto que se compra, uma cápsula que se toma, um líquido que se bebe. A fé que vence o mundo é aquela que crê no amor que Deus tem por nós (1 Jo 4.16), aquela que crê no Filho de Deus (1 Jo 3.23), aquela que guarda a Palavra dele (1 Jo 2.3, 5-6), aquela que pede segundo a sua vontade (1 Jo 5.14), aquela que crê na vida eterna (1 Jo 5.13). Essa fé está baseada no relacionamento com o Senhor. O relacionamento nasce quando andamos na direção dele, desenvolve-se quando andamos com ele e amadurece quando andamos como ele. Assim sendo, a fé que vence o mundo confia sem jamais desconfiar, espera sem jamais desesperar, torna-se inabalável quando tudo se abala, entende o inexplicável, crê no incrível, vê o invisível.

O peixe morto vai com o fluxo. Somente o vivo tem forças para nadar contra a correnteza. Da mesma maneira, somente a fé nos traz vida e forças para vencermos a correnteza deste mundo, andarmos na contramão, vivermos a contracultura deste século. Em Cristo, e somente nele, temos completa vitória sobre todo o poder das trevas, do sistema pervertido e do pecado sobre nossas vidas para andarmos em vitória completa.

Rev. Rodolfo Garcia Montosa