Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 16.11.14


Salmos 69.13


Estamos caminhando na série de mensagens “Pela graça”. Que lindo tem sido nos aprofundarmos mais nesse assunto, é inesgotável. Já vimos que pela graça somos justificados, pela graça temos a remissão dos pecados, pela graça crescemos e pela graça sou um(a) bem-aventurado(a). Hoje vamos refletir como a graça está ligada à oração. Pela graça orações são respondidas.

Corremos o risco de acharmos que nossas orações são respondidas por que merecemos (sou tão bom que Deus me atenderá), porque fazemos algo (método de oração – madrugada, jeito, campanhas) ou porque somos isso ou aquilo (pastor, homem/mulher de oração). Como nossas orações são respondidas?


1.A resposta pode ser não

Desde muito pequeno aprendi com meus pais uma célebre frase: “Não também é resposta”. Mas também desde pequeno tive dificuldades com essa resposta, eu, na verdade, não gostava de ter não como resposta. Qualquer semelhança com você não é mera coincidência. Precisamos aprender com o fato de Deus nem sempre fazer aquilo que queremos ou responder da forma que pedimos.

Vamos a alguns exemplos na Bíblia, são vários, mas separei alguns. O primeiro no AT, o profeta Jeremias estava orando para Deus retirar o juízo contra Israel, vejamos a partir do capítulo 14, por três vezes Deus reponde não ao profeta, no verso 15 dá a sentença final. Esse não era para o bem do povo, e não para mal (29.11).

O segundo exemplo é do apóstolo Paulo, por três vezes pediu a Deus que fosse afastado dele o espinho na carne (2 Coríntios 12.7-9). A resposta de Deus a Paulo foi um sonoro não, mas apesar de Deus não livrar Paulo do espinho na carne, cobriu o sofrimento com a sua graça dizendo: “A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza”.

O terceiro exemplo é do próprio Jesus quando no jardim do Getsêmani (Lucas 22.39-46) pediu a Deus que, se possível, passasse dele o cálice da cruz e do sofrimento, mas queria que a vontade de Deus fosse feita. No versículo 43: “Então, lhe apareceu um anjo do céu que o confortava”. A graça de Deus nos conforta mesmo quando nossa vontade não é a vontade de Deus.

Deveríamos agradecer a Deus pelo fato dele não atender a todos os nossos pedidos.


2. A resposta pode ser espere

Não é simples ouvirmos não de Deus, mas também não é simples ouvir um espere. Isso exige de nós paciência e perseverança. Deus sempre tem algo a nos ensinar quando nos coloca em tempo de espera. Foi assim com Abraão e Sara quando receberam a promessa do filho. Abraão tinha 75 anos (Gênesis 12.4) e Sarai 65. Após 10 anos eles decidiram incluir Agar no processo e nasce Ismael. Aos 86 anos nasceu Ismael (Gênesis 16.16). Abraão tinha 100 anos quando Isaque nasceu (Gênesis 21.5), ou seja, Abraão esperou 25 anos até que se cumprisse a promessa de Deus sobre a sua vida. Isaque, filho de Abraão, esperou 20 anos para Rebeca engravidar, esperou mais 20 anos para seu filho Jacó voltar para casa. E nós? Quanto tempo temos esperado pela volta de um filho? Pela conversão de um marido ou esposa? Pelo cumprimento de uma promessa?

O profeta Habacuque está intercedendo por Judá, para que Deus julgue a nação e mostre sua vontade. No capítulo 2 Deus responde: “O Senhor me respondeu e disse: Escreve a visão, grava-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará” (Habacuque 2.2-3).

Precisamos aprender a esperar em Deus, sabendo que a graça dele está agindo a nosso favor.


3.A resposta pode ser sim

Que bom! Chegamos finalmente à resposta que todos nós queremos: Sim.

E aqui temos diversos exemplos bíblicos. Deus disse sim a Josué quando ordenou ao sol e à lua que se detivessem para que eles vencessem a luta (Josué 10.12-13); Deus disse sim a Ana quando esta lhe pediu um filho (1 Samuel 1.19-20); Deus disse sim a Elias quando este clamou para que não chovesse, e por três anos e meio não choveu e depois disse sim novamente quando pediu chuva e os céus se abriram (Tiago 5.17-18); Deus disse sim ao profeta Ezequias quando pediu mais tempo de vida e lhe foram concedidos mais 15 anos (Isaías 38.4-5), Deus disse sim a Jesus, a Paulo, a Pedro e a muitos outros.

Deus tem prazer em responder nossas orações de maneira positiva. Ele tem prazer em dar boas coisas a seus filhos e filhas (Mateus 7). Podemos chegar a Deus com confiança e certos que alcançaremos graça e misericórdia: “Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hebreus 4.16).


Conclusão

Vimos o tema “Pela graça orações são respondidas”. Quando são respondidas com um sim, foi pura graça, nada merecemos; quando respondidas com espere, precisamos da graça para perseverar; e quando respondidas com um não, temos a graça para nos consolar. Concordo com o Pastor Messias que escreveu em seu editorial que “A graça é a chave da oração”. O sim é pura graça, o espere precisa da graça e o não só pela graça.

Que hoje você e eu possamos decidir mergulhar na graça para aprofundarmos nossa vida de oração.

Rev. Pedro Leal Junior