Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 02.11.14


Romanos 3.21-31


Estamos iniciando nossa nova série de mensagens baseada no livro escrito pelo Rev. Messias com o tema “Pela graça”. Nosso primeiro tema vai nos ajudar a entender melhor algo muito precioso sobre a obra de Cristo em nossa vida: “Pela graça sou justificado”.

Acabamos de refletir sobre a reforma protestante e entendemos que graça é um presente de Deus que recebemos sem merecer. Somos salvos pela graça, mediante a fé. Mas para que essa salvação seja eficaz, você e eu somos, ao crermos em Jesus, justificados. Vamos entender melhor isso e como pode nos ajudar hoje:


1.O que é justificação?

No dicionário da nossa língua portuguesa, justificar é o ato de tornar ou declarar justo, demonstrar a inocência de. É um termo que nos remete à linguagem jurídica. A palavra no original grego dikaiow significa declarar, pronunciar alguém reto ou justo, como alguém deveria ser em seu estado original.

Usado aqui em Romanos 3.24, Willian Hendriksen define justificar como “aquele gracioso ato de Deus por meio do qual, sobre a base unicamente da obra de Cristo, ele declara justo o pecador, e este aceita o benefício com um coração crente”.

Justificar não é absolver o acusado porque ele, merecidamente, não cometeu nenhum erro, não é absolver o acusado por esperteza do advogado ou erros no processo de julgamento, não é somente perdoar o acusado para lhe dar uma segunda chance. Justificar é o ato instantâneo, completo e definitivo, com efeito judicial de Deus ao declarar que o pecador que creu em Cristo, não mais será punido, será considerado justo e terá seu estado de ser favorável a Deus restaurado.   

Justificação é Deus nos perdoando e nos tratando como se nunca tivéssemos pecado. Deus apaga as nossas transgressões, lança no mais profundo mar. Hoje precisamos jogar fora toda culpa do pecado que nos tem sido pesada.


2.Para que serve justificação?

O apóstolo Paulo faz da carta de Romanos uma sequência jurídica, onde ele apresenta o ser humano pecador num tribunal em julgamento por sua própria vida. A acusação é alta traição contra o Rei do universo, a lei é clara e as obras depõem contra o acusado (Romanos 3.23). A sentença é dada, morte espiritual (6.23a) e separação eterna de Deus.

Se não houvesse a justificação em nossas vidas, eu e você estaríamos para sempre condenados no tribunal de Deus. A pergunta do nosso coração sempre foi: "Como, pois, seria justo o homem para com Deus, e como seria puro aquele que nasce de mulher?" (Jó 25.4). O salmista orou "E não entres em juízo com o teu servo, porque à tua vista não se achará justo nenhum vivente" (Salmos 143.2).

A justificação é necessária para que todo aquele e aquela que com o coração quebrantado e contrito se achega a Deus por meio de Jesus (Salmos 51.17) possa encontrar descanso e redenção de seus pecados. O teólogo Bonheffer afirmou que Deus não justifica o pecado, mas o pecador quebrantado e contrito. Segundo Dr. Shedd justificação produz santificação, a santificação ou o desejo de santidade já é uma evidência que estamos livres da condenação.

Precisamos reconhecer nossa necessidade de sermos justificados, pois sem a justificação em Cristo, estamos sentenciados à morte. Justificados em Cristo, somos livres do preço do pecado.


3.Como obter a justificação?

Já compreendemos o que é justificação e para que serve. Agora precisamos compreender que eu e você não conseguimos produzir por conta própria a autojustificação. Enquanto o homem tenta justificar-se não pode ser justificado por Deus. Todos nós nos tornamos impuros, todas as nossas boas ações são como trapos sujos. Somos como folhas secas; e os nossos pecados, como uma ventania, nos carregam para longe (Isaías 64.6 - NTLH). Nossos melhores atos de bondade estão revestidos de malignidade, nossa melhor justiça é para Deus como trapos sujos. Romanos 3.10 afirma que “Não há justo, nem um sequer” e em Romanos 3.20 lemos que ninguém será justificado por “obras da lei”.

Assim, você e eu precisamos receber de Deus e de graça essa justificação (v 24). Não precisamos nos esforçar para recebermos a justificação, pela graça e pela fé ela nos é imputada. Justificação é uma questão de imputação (atribuir). A culpa do pecador é imputada (atribuída) Cristo e a justiça de Cristo é imputada ao pecador. No AT o sumo sacerdote colocava a mão sobre a cabeça do animal que seria sacrificado imputando sobre ele o pecado do povo.  Na cruz Deus colocou sobre Cristo o nosso pecado.


Conclusão

Pela graça sou justificado. Nossa justificação é de graça, mas custou um alto preço. A conta foi paga, o escrito de dívida foi rasgado na cruz (Colossenses 2.13-14).

Rev. Pedro Leal Junior