Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 10.05.15


Salmos 128


Estamos caminhando no mês de maio com o tema “Por esta causa me ponho de joelhos”. Dentre as muitas causas pelas quais precisamos nos prostrar diante de Deus, creio que uma das principais, senão a principal, é a causa da família. É pelas nossas famílias que nos colocaremos de joelhos hoje, em especial com destaque para a figura das mães.

Estamos a procura de uma grande família? A família perfeita? O salmo 128 nos mostra uma foto de uma família desejável, com um homem temente a Deus, bem-sucedido em seu trabalho, em harmonia com sua esposa e seus filhos. Mas nem sempre esta é a realidade de nossa casa (viúvos, sós). Assim nos colocaremos de joelhos hoje por:


1.Por uma família que tenha temor a Deus

O salmista faz uma forte relação entre o temor a Deus e a felicidade no lar. Logo, para que tenhamos na vida do casal um relacionamento saudável é preciso que haja de ambas as partes, marido e esposa, um forte temor do Senhor. Podemos resumir temor a Deus como levar Deus a sério, bem diferente de ter medo. Temer a Deus e andar em seus caminhos.

Tanto o marido, quanto a esposa precisam estar dispostos a ser santificados por Cristo através do Espírito Santo. Um casamento formado por um marido e uma esposa em nada transformados por Cristo, um casamento propenso a muitos problemas; um casamento formado por um marido e uma esposa parcialmente transformados por Cristo, um casamento com um nível médio de problemas; um casamento com um marido e uma esposa totalmente transformados por Cristo, um casamento feliz (triângulo).

Aqui está a base para relacionamentos saudáveis dentro de casa, mas seu lar não possui esta formação do salmo (marido, esposa e filhos), vale o princípio. Cada membro da sua casa, temendo a Deus e andando em seus caminhos será transformado por Cristo e produzirá relacionamentos saudáveis.

Hoje nos colocamos de joelhos para que a pessoa de Cristo seja formada em nós, e o temor a Deus seja o centro da nossa vida.


2.Por uma família que experimente um ambiente de Deus

 

Gosto da figura que o salmista usa “tua esposa” e “à roda da tua mesa” (v 3). Isto fala de comunhão, de tempo juntos, de intimidade. Uma das coisas que muitos perderam em nossos dias é a prática de como família sentar-se diariamente em volta da mesa. Um tempo só da família, um tempo entre pais e filhos para conversar, contar como foi o dia, falar das coisas do coração. Pais que têm prazer em se assentar ao lado dos filhos e participar das suas coisas, filhos que não se afastam dos pais e os têm como amigos e de confiança.

Infelizmente vemos lares que se tornam verdadeiros campos de batalha, onde o clima é pesado, o ambiente é tenso e as pessoas não sentem vontade de ali estarem e nem para lá voltar.

Vamos nos colocar de joelhos para que o interior de nossa casa e o entorno de nossa mesa seja um ambiente repleto da presença e da graça de Deus.


3.Por uma família que gere filhos para Deus

No lar que teme a Deus, o relacionamento entre pais e filhos deve ser harmonioso, pois da mesma forma o caráter de Cristo vai sendo impresso na vida de cada membro da família.

Vamos nos colocar de joelhos para termos em nossos lares, no interior de nossas casas mães que sejam frutíferas como a videira. Isto fala de sustento, tempero e alegria (uva, vinagre e vinho). Frutífera em todos os sentidos, frutífera gerando filhos, frutífera no seu trabalho (nas obras de suas mãos), frutífera como auxiliadora idônea mediante um espírito manso e tranquilo (1 Pe 3.4), frutífera no exercício de seu ministério. Mães que gerem em seu próprio corpo, mães que gerem em seu coração, mães que gerem filhos espirituais.

Assim, esses filhos e filhas se tornarão fonte de bênção, e a figura para ilustrar isto é o rebento da oliveira, são os frutos da oliveira utilizados para produzir azeite, símbolo da unção de Deus em nosso lar. É a coroação da família, é a cereja do bolo, é a azeitona da nossa torta.

De joelhos, vamos clamar pelos nossos filhos e filhas. As bênçãos de Deus virão sobre eles e sobre seus filhos, para que vejamos as futuras gerações temendo e amando o Senhor. Que presente melhor podemos desejar ou dar às mães do que o descanso que seus filhos temem a Deus e andam em seus caminhos.


Conclusão

Por esta causa me ponho de joelhos: família (mães). Vamos orar por uma família que tenha temor a Deus, que experimente um ambiente de Deus e que gere filhos e filhas para Deus.
“A sua posteridade será conhecida entre as nações, os seus descendentes, no meio dos povos; todos quantos os virem os reconhecerão como família bendita do Senhor” (Isaías 61.9).

Rev. Pedro Leal Junior