Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 08.11.16


O choro pode durar a noite inteira, mas de manhã vem a alegria (Salmos 30.5 – NTLH).


Eu sou mulher atribulada de espírito. Essa foi a declaração singela e sem rodeios feita por uma mulher chamada Ana, quando questionada por seu líder religioso Eli. A causa principal da sua angústia, sua dor, era porque ela era estéril, tinha sido impedida por Deus de ter filhos, o Senhor lhe havia cerrado a madre. Seu esposo a amava muito, lhe dava atenção em dobro, com tudo isso, a observava sempre aborrecida e tensa. Então lhe perguntava: Ana, por que choras? E por que não comes? E por que estás de coração triste? Não te sou eu melhor do que dez filhos? (1 Samuel 1.8).

Aquela mulher atribulada de espírito foi ao templo, e junto ao pilar do templo encontrou o caminho para ter seu desejo satisfeito, seu sonho realizado, sua bênção alcançada, sua graça recebida. Levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente. E fez um voto, dizendo: Senhor dos Exércitos, se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, e lhe deres um filho varão, ao Senhor o darei por todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha (1 Samuel 1.10-11).  Quando foi interrompida na sua oração pelo sacerdote Eli, que supôs que ela estivesse embriagada, sua resposta foi: Não, senhor meu! Eu sou mulher atribulada de espírito; não bebi nem vinho nem bebida forte; porém venho derramando a minha alma perante o Senhor (1 Samuel 1.15).

Diante daquela resposta, Eli declarou à pobre e sofrida mulher: Vai-te em paz, e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste (1 Samuel 1.17). Tudo mudou, a começar pelo semblante de Ana, seu semblante já não era o mesmo. Ela concebeu e, passado o devido tempo, teve um filho, a que chamou Samuel, pois dizia: Do Senhor o pedi (1 Samuel 1.20). Ana não apenas deu à luz um filho, Samuel, mas devolveu-o ao Senhor para servi-lo como um grande líder do seu povo: Por este menino orava eu; e o Senhor me concedeu a petição que eu lhe fizera. Pelo que também o trago como devolvido ao Senhor, por todos os dias que viver; pois do Senhor o pedi. E eles adoraram ali o Senhor (1 Samuel 1.27-28).

Aquilo que causava tristeza e choro para Ana, que a tornara uma mulher atribulada, Deus, na sua bondade, transformou em motivo de alegria e bênção.

Rev. Messias Anacleto Rosa