Conteúdo e Mídia

Mensagens

Mensagem de 04.10.16


“Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo” (1 Pedro 2.4-5).


Só posso entender, de fato, quem sou em Cristo, no contexto da comunhão com o Deus vivo e na comunhão com os irmãos na igreja. Isso faz parte da minha condição como pessoa criada à imagem e semelhança de Deus. Ele é o Deus único que vive em comunhão eterna: Pai, Filho e Espírito Santo, iguais em poder e glória. Eu reflito essa imagem e semelhança, com nitidez, quando vivo em comunhão com ele e com os irmãos na comunidade da fé cristã. Em Cristo e na comunhão fraterna firmamos a nossa individualidade, mas o individualismo é incompatível com a vida no reino de Deus. Por isso, vamos usar, a partir de agora, linguagem inclusiva.

A figura do texto escolhido é sugestiva: somos pedras vivas e fazemos parte da casa espiritual, feita de gente, não de tijolos e outros materiais. Jesus usou também a figura do edifício, da casa, quando disse: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja (Mateus 16.18). Jesus é a pedra. Por isso, Pedro afirma: Chegando-vos para ele, a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa. Ao nos aproximarmos e nos unirmos a Jesus pela fé, algo extraordinário acontece: Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual. Paulo esclarece: Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular” (Efésios 2.19-20).

Além de ser a pedra que vive, Cristo é a pedra angular. A pedra angular, nas antigas construções, era a primeira a ser assentada na esquina do edifício, formando um ângulo reto entre duas paredes. A partir dessa pedra, eram definidas as colocações das outras pedras, alinhando toda a construção. Em Jesus somos, simetricamente, edificados casa espiritual.

Jesus é também o edificador: “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. Somos as pedras vivas, resgatadas por Cristo e lapidadas pelo Pai celestial, para ocuparmos o nosso espaço nesse edifício espiritual. Se uma pedra for roubada de um monte de material de construção, ninguém percebe. Afinal de contas, é apenas uma pedra entre tantas outras. Mas se uma pedra for retirada da parede de uma casa, percebe-se logo o estrago. Seria o mesmo que amputar um membro do corpo. Assim, sem você e eu, a casa espiritual fica incompleta e o corpo de Cristo fica mutilado.

Todo edifício é construído para ser usado como residência ou para uso comercial, industrial etc. A finalidade da casa espiritual é clara: “Para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo. Paulo ensina que, em Cristo, todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito” (Efésios 2.21-22). Pedro e Paulo, nos textos citados, ensinam que, em Cristo, todos somos a casa espiritual, o santuário de Deus e o sacerdócio santo. A finalidade é oferecer “sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo”. Nessa casa espiritual cada um de nós é pedra viva, é sacerdote, é adorador e é evangelista. A liderança é espiritual, prepara cada cristão para o exercício do ministério (Efésios 4.11-12), e leva todos à maturidade na comunhão do corpo de Cristo para que sejam produtivos (Efésios 4.13-16).

Rev. Mathias Quintela de Souza