Conteúdo e Mídia

Notícias

Orando pela Nigéria e Oeste Africano.

Em 12 de junho realizamos o DIP, Domingo da Igreja Perseguida, pois não podemos ignorar a realidade atual de que mais de 360 milhões de cristãos no mundo são perseguidos. Esse é um dia separado para entendermos como estão atualmente os cristãos na Nigéria e Oeste Africano, e sob quais condições seguem firmes na fé em Jesus Cristo. Agora enxergaremos, sob a ótica bíblica, a realidade da perseguição que enfrentam.

Nenhuma arma forjada contra você prevalecerá, e você refutará toda língua que o acusar. Esta é a herança dos servos do Senhor, e esta é a defesa que faço do nome deles, declara o Senhor (Isaías 54.17).

E as portas do inferno não prevalecerão contra ela (Mateus 16.18b).

Isaías era profeta do reino de Judá, e faz uma abordagem de Deus como Todo-Poderoso, Senhor e Salvador, e exalta a defesa feita por ele em prol do seu povo. O versículo 17 diz: Nenhuma arma forjada contra você prevalecerá, e você refutará toda língua que o acusar. Ao ler uma passagem assim, imaginamos a vitória total e absoluta. Mas a sequência da história nos mostra que Judá seria atacada pelos assírios. Mesmo em meio à adversidade e em uma situação de destruição e cativeiro, o Senhor preservou o remanescente do seu povo.

Entender os dias difíceis não é tão simples assim. Em países onde há perseguição por causa da fé, os cristãos vivem uma realidade que os desafia diariamente a lembrar e confiar que “nenhuma arma forjada prevalecerá” contra a igreja, contra os cristãos, e que eles refutarão as acusações. É exatamente a situação vivida hoje por cristãos na Nigéria e Oeste Africano. O Senhor se coloca em defesa de seu povo e nós somos convidados a ser instrumentos do amor de Deus aos nossos irmãos. No Antigo Testamento, Deus usou os profetas; no Novo Testamento, os apóstolos; e hoje, ele convida você.

Não é fácil crer na vitória quando as coisas não vão bem ou como imaginamos que seria. A realidade dos cristãos nigerianos e em países do Oeste Africano é de perseguição, prisão, casas incendiadas, igrejas destruídas, sequestros e até mesmo mortes. Como podemos acreditar que nenhuma arma forjada prevalecerá? A afirmação bíblica e a realidade podem parecer incompatíveis ou até mesmo contraditórias, mas na verdade a igreja continua crescendo, o corpo de Cristo é fortalecido, a fé acrescentada e muitos continuam se rendendo ao único e suficiente Salvador, Jesus Cristo.

Como isso é possível? Em Mateus 16.18b, Jesus, ao falar sobre a sua igreja, declara que as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Jesus explica aos discípulos o que estava por vir: Então eles os entregarão para serem perseguidos e condenados à morte, e vocês serão odiados por todas as nações por minha causa (Mateus 24.9). O mesmo tema também já havia sido mencionado nas bem-aventuranças: Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa os insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês (Mateus 5.11).

No evangelho de Lucas vemos ainda que eles seriam odiados, traídos, perseguidos e presos, mas tudo isso seria uma oportunidade para testemunhar.

A história continua. Jesus é preso, crucificado e morto. Mas, ao terceiro dia, assim como prometeu, ele ressuscita. Porém, antes de ascender aos céus, Jesus promete aos discípulos que eles seriam revestidos de um poder dinâmico com o propósito de realizar a Grande Comissão. Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra (Atos 1.8).

Quando o Espírito Santo desce sobre os primeiros membros da igreja primitiva, esse poder começa a agir. Porém, não há nada nem ninguém com uma força igual ou maior à do Espírito Santo de Deus que seja capaz de impedi-lo. Esse é o poder que está sobre a igreja de Jesus. Sendo assim, “nenhuma arma forjada prevalecerá” e “as portas do inferno não prevalecerão contra ela”, afinal nada pode deter a igreja que recebeu o poder do Espírito Santo.

Consolo em meio à perseguição

A igreja na Nigéria e Oeste Africano está sob ataque seja na família, nação, sociedade, trabalho ou escola. Mesmo assim, seu papel não é somente sobreviver, mas sim avançar, assim como a igreja de Atos avançou. As situações vividas pela igreja primitiva podem parecer tão distantes e remotas, mas situações muito semelhantes ou quase idênticas ocorrem ainda hoje em mais de 50 países onde mais de 360 milhões de cristãos são perseguidos. Nossos irmãos na Nigéria e Oeste Africano fazem parte dessa realidade.

Uma igreja ferida, queimada, assolada, porém uma igreja que continua crescendo. Um dos principais fatores para isso é a oração, que sempre esteve presente na igreja apostólica. Mesmo antes de serem revestidos do Espírito Santo, estavam reunidos em oração. Em meio às perseguições e prisões, se reuniam para orar.

E nós também, como um só corpo, precisamos interceder em favor dos cristãos perseguidos. Ore para que a mensagem da cruz continue sendo pregada, dessa forma armas forjadas não triunfarão, nem as portas do inferno prevalecerão. Esteja em oração com nossos irmãos e irmãs para que a fé e a esperança não desvaneçam do coração deles. Ao serem fortalecidos pelo Senhor, poderão avançar e continuar proclamando as boas-novas de salvação.

A igreja na Nigéria e Oeste Africano, considerada a região mais perigosa do continente, está sob ataque, tendo a existência ameaçada. Os números da violência revelam isso, com 96% das mortes de cristãos no continente ocorrendo na região. Além disso, a Nigéria é o país com mais assassinatos de cristão no mundo, chegando a 79%. Como consequência, aldeias cristãs inteiras fogem em busca de local seguro para sobreviver, sendo obrigados a deixar tudo para trás.

Embora a perseguição contra os cristãos nigerianos seja muito violenta e hostil, nossa ajuda, seja por meio de orações ou doações, é para que a igreja não somente sobreviva, mas continue avançando. Essas são formas de ajudar a destruir armas forjadas e não permitir que as portas do inferno prevaleçam. Seja hoje instrumento de Deus e resposta ao clamor dos cristãos perseguidos.

Fonte: portasabertas.org.br