Conteúdo e Mídia

Notícias

Confira um bonito testemunho enviado pela Miss. Bugra.

Ao entrar naquele quarto do hospital Nereu Ramos, em Florianópolis (SC), encontrei uma moça desesperada, em prantos. Depois de eu me apresentar, ela disse: “- Bugra, fiz uma besteira e agora não tenho como mudar!” Fiquei curiosa e perguntei: - “O que você fez?”Ela, com o olhar desesperado, me contou: “- Fiz um pacto espiritual de amor de vida e morte com um ex-companheiro. Se um morresse o outro também morreria. Um levaria o outro. Pacto de amor eterno. Eu acabei de sair da UTI e ele está em outro hospital, também na UTI. “Bugra, eu não quero morrer!” Então eu olhei nos seus olhos e perguntei: “- Vamos quebrar esse pacto?“ Ela ficou interessada e perguntou: “- Isso é possível? Como?” Eu respondi: “- Basta orar e entregar tua vida pra Jesus, e tu vais nascer de novo. Terás uma nova vida em Jesus.  As coisas velhas passaram e tudo se fez novo (2 Coríntios 5.17). Uma nova vida em Jesus: Tá a fim?” Ela parou de chorar, abriu um sorriso e disse: “- Quero, claro que eu quero!” Coloquei em seu pulso uma pulseirinha em que estava escrito o nome de Jesus. E ela orou recebendo o Senhor. E em Cristo o pacto foi quebrado. Aleluia, glória a Deus! Logo depois oramos agradecendo e pedimos a Deus pela saúde do seu ex-companheiro.

Um ano depois a equipe do Projeto Siloé, ao chegar ao hospital, deu de cara com aquela moça. Confesso que não a reconheci, tamanha a diferença. Estava linda e com muito cabelo. O cabelo tingido de vermelho. Ela abriu um sorriso muito largo e me pediu para ir ao seu quarto. Claro, ela percebeu que eu não a tinha reconhecido. Então, ao entrarmos no seu quarto, com o lindo sorriso e olhos cheios de lágrimas, me fez recordar.  “- Bugrinha, há um ano atrás você orou por mim. Colocou no meu pulso uma pulseirinha com o nome de Jesus. E o pacto de amor de vida e morte que eu tinha feito com meu companheiro foi quebrado. Você orou por mim e por ele. E eu e ele estamos vivos até hoje, para testemunharmos o poder de Cristo!” 

Bugra/Nídia Mafra
Projeto Siloé