Conteúdo e Mídia

Notícias

Estamos nos aproximando de mais uma importante eleição a deputados estaduais, federais, governadores, senadores e presidente da República. Como igreja, para garantir o processo democrático e respeitarmos a Lei, temos um claro posicionamento diante das Eleições.

Assista ao vídeo "Palavra sobre as Eleições" aqui.

1.NÃO NEGOCIAMOS APOIO POLÍTICO

A igreja e seus membros não devem se relacionar com o poder público em termos de barganhas. Não trocamos voto por tijolo ou por terreno, muito menos por cargos ou favores políticos. Quem vende seu voto, vende sua consciência e sua liberdade. Quem vende seu voto, vota contra si mesmo. Quem vende seu voto, vende a si mesmo.

2. NÃO INDUZIMOS O VOTO

Quem vai à urna para votar não é a igreja, mas cada cidadão e cidadã. Em outras palavras, é direito, dever e competência de cada membro ter o seu posicionamento pessoal como cidadão e cidadã. Por isso, como igreja, não fechamos apoio a determinado candidato, nem a determinado partido. Respeitamos o posicionamento e a consciência de cada um e não queremos criar constrangimento a ninguém indicando para votar neste ou naquele candidato. Não praticamos o “Voto de Cabresto”, ou, em outras palavras, o “Voto de Cajado”.

3. ORIENTAMOS O ELEITOR

O processo da decisão eleitoral deve ser feito com grande responsabilidade. Dentre alguns cuidados, não deixe de conferir:

  • Se o candidato tem caráter, é “ficha limpa” e não está envolvido em nenhum processo de corrupção;
  • Se o pretendente ao cargo tem experiência e competência para o cargo pretendido. Para tanto, busque informações isentas a respeito do candidato e analise sua história de vida;
  • Se as propostas do candidato são relevantes, justas e possíveis de serem executadas. Para tanto, ouça atentamente o que o candidato pretende no cargo e, principalmente, como irá fazer o que propõe.
  • Se o posicionamento do candidato e de seu partido político são coerentes com a atuação que temos como igreja. Veja alguns exemplos:

 

FAMÍLIA: Oramos todos os domingos pelos filhos. Não faz sentido votar em pessoas que trabalham na direção da desconstrução da família ao invés de valorizar e proteger.

DROGAS: Apoiamos ministérios como o Água Pura que trabalha para libertação de dependentes químicos e do álcool. Não faz sentido votar em quem é favorável à descriminalização e liberação das drogas.

LIBERDADE: Sustentamos missões e missionários que sofreram e ainda sofrem com as consequências do comunismo. No ano passado, por exemplo, inauguramos um templo na Albânia. Não faz sentido votar nos candidatos de partidos comunistas e afins, pois já sabemos para onde esse discurso leva, como no caso da sofrida Venezuela.

SEXUALIDADE: Incentivamos o Ministério Paz com Deus que trabalha para ajudar pessoas que enfrentam conflitos na área da sexualidade. Não faz sentido votar nos candidatos que militam pelo ensino de ideologia de gênero nas escolas.

ABORTO: Aprendemos, pelas Escrituras, que os olhos de Deus já nos acompanhavam desde quando éramos substância ainda informe, quando estávamos sendo entretecidos no interior de nossa mãe (Salmos 139.13-16). A vida começa no embrião. Tão forte é isso que João Batista foi cheio do Espírito Santo quando ainda estava na barriga de sua mãe Isabel. Nossa inclusão das crianças é tão real que até as batizamos ainda bebês. Não faz sentido votar em pessoas que defendem a liberação do aborto.

ECONOMIA: Intercedemos pela vida financeira das pessoas para que sejam prósperas na geração de riqueza e generosos em compartilhar. Não faz sentido votar nos candidatos que não valorizam o empreendedorismo, livre mercado e flexibilidade nas relações de trabalho.

SUSTENTABILIDADE: Observamos que tudo o que Deus criou tem o princípio da sustentabilidade, no microcosmos, passando pelo ecossistema ao universo espacial. Não faz sentido votar em pessoas que não apoiem e enfrentem correções necessárias nos sistemas falidos como o da Previdência, da Política, dos gastos públicos etc. 

ESTADO: Estudamos na Bíblia que o modelo de governo ideal dado por Deus foi através de Jetro, com o poder descentralizado, e com o governo central bastante enxuto. Quando o povo desejou ter Governos centralizados, Deus mesmo disse que lhes seria oneroso. Não faz sentido votar em quem defende um Estado pesado e, na prática, aparelha a máquina pública com pessoas empregadas para manutenção do poder.

IGREJA: Como igreja local, cuidamos do ensino de crianças carentes por meio da Pré-escola Alegria, de idosos por meio do Lar Maria Tereza Vieira, contribuímos com a saúde do pobre e necessitado por intermédio do Hospital Evangélico, além de diversas outras ações sociais. Não faz sentido votar nas pessoas que ignoram, desvalorizam, desprezam e perseguem a igreja.

ISRAEL: Somos orientados pela Bíblia a orar por Jerusalém, e assim o fazemos desde sempre. Não faz sentido votar em quem é contra o Estado de Israel.

Em resumo: vote em gente que proteja a família, diga não às drogas, defenda a liberdade política, posicione-se contra a ideologia de gênero, proteja a vida contra o aborto, seja favorável à economia livre, atue com firmeza na correção dos Sistemas na busca da sustentabilidade, advogue pela estrutura leve do Estado, respeite a igreja e Israel.

4. ORAMOS PELO PROCESSO ELEITORAL E PELAS AUTORIDADES PÚBLICAS

Oramos pelo processo político, para que transcorra em paz, para que a democracia se faça valer, para que os líderes constituídos governem com sabedoria, respeito, dedicação em prol do bem comum. Como está escrito em 1 Timóteo 2.1-2: Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito.

5. RESPEITAMOS A LEGITIMIDADE DO PODER CONSTITUÍDO

Segundo o texto de Romanos 13, entendemos que toda autoridade é instituída por Deus para o exercício de suas atribuições no limite de sua competência, para a promoção do bem-estar, da paz e justiça do povo. Por isso, uma vez constituídas legitimamente, devem ser apoiadas e acompanhadas no exercício do poder, dentro do que preconiza a legislação, em alinhamento com a Palavra de Deus. E se, em algum momento, nos for exigido ir contra a verdade, contra a justiça, ou contra a vida, devemos nos posicionar como os apóstolos, pois, antes, importa obedecer a Deus do que aos homens (Atos 5.29).

Pesquise seus candidatos. Faça a tarefa de casa. Escolha com sabedoria e discernimento. A responsabilidade é sua, é nossa. Deus abençoe o Brasil!

Pr. Rodolfo Montosa
pelo Conselho da 1a Igreja Presbiteriana Independente de Londrina
Setembro de 2.018