Conteúdo e Mídia

Notícias

Lembrem-se de que o fogo deverá ser mantido aceso no altar o tempo todo; nunca deverá se apagar (Levítico 6.13 – NVT).

Estamos completando seis meses de isolamento social e como tem sido difícil para todos nós, nada diferente ali na nossa querida congregação da Vila Marízia. Sem cultos e encontros presenciais, sem abraços e sem as crianças, que foram as mais prejudicadas, assim imaginamos, porque elas aguardavam com expectativa nossos encontros. Muitas frequentavam nossos cultos, células e programações, sozinhas, sem seus familiares.

Mas, louvado seja Deus, que por sua imensa graça e misericórdia, estamos saudosos sim, mas ativos, firmes e perseverantes na obra do Senhor.

Toda primeira semana de cada mês, temos a semana de oração, antes nas casas e na igreja com a participação de 10 a 15 pessoas. Em todo esse tempo de isolamento, nossas semanas de oração aconteceram de maneira virtual com a participação de 30 pessoas em média.

Nossas células estão se encontrando por meio de vídeo-chamadas. Nasceu um grupo de oração e adoração na rua com a participação de vizinhos que não frequentam a igreja nem as células.

E as marmitas? Também continuamos, semanalmente, desde o início da pandemia. São entregues de 80 a 100 marmitas, distribuídas para moradores de rua e famílias carentes, ou passando por necessidades mais imediatas. Um morador de rua, que nunca tinha comparecido na entrega das marmitas, perguntou: “É aqui que vai ter a alimentação?”

Nesse período ficou mais intensa a ajuda com cestas básicas, medicamentos, roupas e outras necessidades. Um membro de nossa célula, de 69 anos, teve Covid-19. Todos o ajudaram levando o que precisava no portão da casa dele, sem contato muito próximo, mas sempre presentes.

Fizemos uma carreata de oração e visitação. Foi tudo uma bênção! Com Jesus presente, mesmo em tempos diferentes, a vida é uma bênção.

Ordene aos israelitas que tragam óleo puro de azeitonas prensadas para a iluminação do candelabro, a fim de manter as lâmpadas sempre acesas (Levítico 24.2 – NVT).

Pr. Lincoln e Mary Faleiros.