Conteúdo e Mídia

Notícias

8 de março é o Dia Internacional da Mulher. Com este texto queremos homenagear, você, mulher.

“Sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós” (Filipenses 3.17). Lendo a Bíblia encontramos vários exemplos de homens e mulheres que podemos seguir, mas hoje a nossa conversa é sobre as mulheres. Vamos relembrar de algumas?

Bom, comecemos por Eva. Que privilégio ser a primeira mulher com a missão importantíssima de auxiliar Adão a governar a terra. E Sara?! Experimentou o milagre de conceber o filho da promessa na velhice. Raabe, a cananita, teve atuação relevante quando os judeus conquistaram a terra prometida. Mas ela não era uma prostituta?! Pois é, mas esta mulher de “reputação duvidosa” tem lugar de destaque, faz parte da genealogia de Jesus. Temos Rute, a moabita, que pela cultura da época seria rejeitada no meio do povo de Israel, mas foi presenteada por Deus com um resgatador, seu marido, que a colocou em posição de honra. E esta estrangeira também foi incluída na árvore genealógica de Jesus. Ester é outro exemplo: salvou o seu povo de ser exterminado. Estas são apenas algumas mulheres e nem chegamos ao Novo Testamento!

Não poderíamos deixar de destacar Maria, mulher escolhida por Deus, para dar à luz a Jesus, nosso Salvador. Ela foi uma serva através da qual Deus se tornou humano. Realmente foi privilegiada! No Novo Testamento temos vários outros exemplos: Marta e Maria, irmãs de Lázaro, amigas de Jesus; Dorcas que era “notável pelas boas obras e esmolas que fazia” (Atos 9.36). Ela era muito amada e as mulheres com quem convivia sentiram tanto a sua morte, que Deus, através do apóstolo Pedro, a ressuscitou. Os exemplos não param por aí...

A história continua sendo escrita: “Vocês mesmos são a nossa carta, escrita no nosso coração, para ser conhecida e lida por todos. Sim, é claro que vocês são uma carta escrita pelo próprio Cristo... Não foi escrita com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo” (2 Coríntios 3.2-3 - NTLH). Olhando as mulheres da Bíblia, aprendemos com elas, mas são realidades que, às vezes, parecem um pouco distantes de nós. E hoje, no mundo em que vivemos, temos a quem imitar? Exercite a sua memória novamente! Pense em alguma mulher que você conhece. Creio que a resposta é sim. Há pessoas que são verdadeiras cartas vivas. É sobre uma delas que eu quero compartilhar.

A pequena Maria nasceu em 18 de abril de 1915, no interior de São Paulo. Era de uma família portuguesa e muito religiosa. Como grande parte das moças do início do século XX era prendada e foi preparada para ser esposa e mãe. Aos 19 anos casou-se. Com ela levou algumas imagens de quem era devota. Seu marido era cristão, e através do testemunho dele teve um encontro pessoal com Jesus. A partir de então começou sua caminhada na fé. Deus a abençoou com uma família numerosa. Teve quatro filhos e seis filhas, o primeiro morreu com poucos meses de vida, o que lhe trouxe muita tristeza e dor. Também passou por dificuldades financeiras, o marido foi perseguido e ameaçado no trabalho. Em todos os momentos, porém, não se desgarrou de Jesus.

A família foi aumentando, tornou-se a vó Maria. A vida pregava-lhe mais uma peça, seu companheiro ficou muito doente e faleceu. Começava uma nova etapa, mas ela sabia onde se derramar nos momentos de fragilidade e, ao mesmo tempo, encontrar forças para sua jornada: aos pés da cruz e nos braços do Pai. Entre tantos desafios que Deus tinha para esta filha, um deles se apresentou quando já estava com mais de 70 anos. Maria havia morado em várias cidades, talvez mais de 30. A maior parte no Paraná. Mas Deus a chamou para um local distante, mudou-se para o Mato Grosso do Sul. Lá abriu a sua casa para receber irmãos e irmãs na fé, e Deus ia acrescentando os que iam sendo salvos. Nasceu uma igreja.

Maria teve 21 netos e mais de 30 bisnetos. A partir dos 80 anos, quando lhe perguntavam como era ter aquela idade, dizia: “tenho canseira, mas não enfado”, numa alusão ao Salmo 90.10. Suas marcas eram a alegria, serenidade com que enfrentava as diversas situações da vida, sabedoria conquistada ao longo dos anos na presença de Deus, doçura, simplicidade. Era uma intercessora, amava sem esperar nada em troca porque sabia quem poderia supri-la. Em março de 2011, pouco antes de completar 96 anos, completou a carreira que lhe estava proposta, com perseverança sempre olhando firmemente para o autor e consumador da sua fé (Hebreus 12). Com certeza recebeu a coroa!

Maria é minha avó, vi nela as marcas de Jesus, tenho lido esta carta viva. Posso dizer com toda convicção que ela é digna de ser imitada. Sua vida foi e é uma inspiração. A quem honra, honra (Romanos 13.7).


Vanessa Sene Cardoso