Conteúdo e Mídia

Mensagens

Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos (Daniel 9.25).


As datas que envolveram desde o nascimento até a morte foram precisamente profetizadas. Acompanhe o raciocínio: cada semana representa um ciclo de sete anos, ou um total de 483 anos (69 x 7). Pelo calendário babilônico, o tempo predito por Daniel representa, portanto, 173.880 dias (483 x 360). Neemias escreveu (Neemias 2.1) que no mês de Nisã, no vigésimo ano do reinado de Artaxerxes, no mesmo dia que servia no palácio, o rei emitiu o decreto para autorizar a reconstrução dos muros de Jerusalém. Artaxerxes ascendeu ao trono da Pérsia em 465 a.C. O vigésimo ano do seu reino, então, foi em 445 a.C. O mês judaico Nisã começou em 14 de março desse ano. Lucas escreve que Jesus começou seu ministério público no ano 15 do reinado de Tibério Cesar (Lucas 3.1). Isso significa que a morte de Jesus aconteceu no ano 32 a.D. Nesse ano o dia 14 de Nisã foi na quinta-feira, quando a refeição de Páscoa seria servida. O domingo antecedente, portanto, foi dia 10 de Nisã, ou 6 de abril no nosso calendário. De 14 de março de 445 a.C. a 6 de abril de 32 A.D. são 173.880 dias. Impressionante, não?

O nascimento de Jesus não foi um acaso, improviso, acidente. Prova disso é que muitos profetas predisseram a respeito de quem, onde, quando, como, em qual contexto e por que Jesus nasceria. Quando nasceria? No tempo glorioso, certo e esperado.

No tempo glorioso. Impressionante o profeta Isaías ter conjugado os verbos no passado de algo que viria a acontecer. Mas para a terra que estava aflita não continuará a escuridão... O povo que andava em trevas viu grande luz"..."Porque tu quebraste o jugo que pesava sobre eles (Isaías 9.1-6 – NAA). A provisão futura e gloriosa de Deus para libertar definitivamente o povo de Israel seria o grande filho de Davi que viria e veio. E uma milícia celestial louvou a Deus dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas (Lucas 2.14). Ele veio para tornar glorioso o caminho de todo aquele que nele crê. Aleluia!

No tempo certo. Tudo em nossa vida tem um tempo determinado. Com o nascimento de Jesus não foi diferente. Ao lermos o evangelho de Lucas 2.6 e 7a: Estando eles ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho, destacamos que esse dia já estava preparado. Fora previsto muito tempo antes pelo profeta Daniel (Daniel 9.20-27) e havia uma sincronia de acontecimentos para que ele fosse revelado ao mundo. Deus não se atrasa e nem se adianta, ele veio (e vem) no tempo certo.

No tempo esperado. Quando recordamos os detalhes do nascimento de Jesus, damos conta do quanto foi esperado precisamente para aquele tempo. Duas pessoas personificam essa espera de maneira perseverante e inspiradora: Simeão e Ana (Lucas 2.25-38). Diante de uma sociedade em desespero, Simeão e Ana mostram uma forte marca para mantermos essa chama da esperança bem acesa: intimidade com o Espírito Santo. 

O Senhor do tempo não perdeu a mão. Continua governando tudo o que se passa em nossa história. Creia e descanse: ele cumprirá cada uma de suas promessas!


Daniel Zemuner, Pedro Leal Junior e Rodolfo Montosa

Igreja IPI