Minhas testemunhas

Compartilhe:

Mas vocês receberão poder, ao descer sobre vocês o Espírito Santo, e serão minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até os confins da terra (Atos 1.8 – NAA).

Estamos em alto mar, em meio à tempestade. Somos o “Corpus Christi”, um navio de resgate robusto, tecnológico, abastecido, com tripulação capacitada e bem treinada. Nossas rotinas de salvamento emergencial estão sempre em dia. Sem aviso, um oficial dispara o alarme. O navio Rose Mary pegou fogo e há pessoas lançadas ao mar, perdidas, em perigo iminente. Eles estão em 64 pessoas. Nós, 62. Temos 24 botes salva-vidas. É o suficiente! Vamos salvá-las! Somos chamados, vocacionados e treinados para isso!

Por que nos arriscaríamos na tempestade para salvar perdidos? Estamos seguros, diz o oficial do dia. Se estão nessa situação, não merecem ser salvos. Devem ter feito algo de errado. Voltemos ao treinamento teórico enquanto estamos aquecidos e confortáveis. O propósito dessa embarcação é nos manter assim. Não é! Qual o nome do navio? Corpo de Cristo, um navio de resgate. Embora ele nos mantenha seguros, o faz para que possamos alcançar os perdidos. Essa é a li­ção presente no curta metragem de Reinhard Bonnke, “Perdidos no Mar”.

Seis dos seus sessenta e quatro tripulantes partiram ao resgate do Rose Mary. Três botes, apenas três, dos vinte e quatro.

E nós? Iremos ao resgate ou nos contentaremos em estudar a respeito? Parece simples, mas, na prática, é fácil nos perdermos no conforto e segurança do navio. Envie anjos, outra pessoa, não é para mim, tenho vergonha, sou muito novo na fé, ou seja, é possível que discordemos do plano, mas Jesus sabe o que é melhor.

Jesus sabe o que é melhor!

Estamos no navio porque alguém saltou em meio à tormenta e nos salvou. Há muita gente perdida na sua rua, condomínio, trabalho, por onde você passa: valores, prioridades, vícios, compulsões, ambição, ganância, caminhos desalinhados em relação ao coração de Deus.

Jesus sabe o que é melhor e nos fez suas testemunhas. Recebemos o bote e estamos cruzando o mar de perdidos. Como podemos alcançá-los?

1. Ore pela pessoa: percebeu algo de errado, ore. Ouse ser tomado pelo espírito de intercessão.
2. Aproxime-se com empatia: procure sentir o que o outro sente. Tenha real interesse na vida dele como Jesus se aproximou da mulher samaritana.
3. Compartilhe experiências com Jesus: tudo é sobre Cristo, porque tudo se volta para ele e nele se soluciona. Quanto mais falarmos nele, melhor. Fale de como você era antes, e como é depois de Jesus.
4. Perceba as reações: o olhar, os pequenos movimentos do rosto, as palavras; interaja, seja intencional.
5. Ore com a pessoa: oração tem poder. As palavras fluem, vêm direto do coração do Pai, quebram grilhões e vão operando o que Deus quer fazer na vida dos perdidos. Que o espírito de ousadia e intrepidez repouse sobre a sua vida!
6. Convide-a para a célula: é o primeiro passo para um relacionamento forte e duradouro.
7. Inicie o discipulado: o bote está na água.

Nossa missão: Ser e fazer discípulos de Cristo. É para isso que estamos aqui! Não somos apenas um grupo de comunhão e fortalecimento. Vamos avançar e ter a sensibilidade de olhar para as pessoas que o Senhor já colocou diante dos nossos olhos.

Vamos lançar os botes! Jesus está conosco!

Por Paulo Povedano

Confira mais fotos aqui.

Continue lendo

Mais Posts

Agenda
Comunicação IPILON

Para mulheres

No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, vamos realizar um encontro, às 20h, no Espaço Esperança. Com base no tema essência, vamos abordar

Leia Mais »
Blog
Comunicação IPILON

Discípulos aprendem a falar

Quando levarem vocês às sinagogas ou à presença de governadores e autoridades, não se preocupem quanto à maneira como irão responder, nem quanto às coisas

Leia Mais »

Olá! Nós somos uma igreja em células.

Menu
Institucional
Missão Integral
Voluntariado

Login no Basis